Continente preso no paradoxo entre a solidariedade e a intolerância

Europa patina em sua política de migração, enquanto um mar de seres humanos tenta chegar lá em busca de vida mais digna; numa das portas de entrada, na Itália, assistência é criminalizada

Por Janaína Cesar | 11 • Publicada em 14 de abril de 2021 - 08:46 • Atualizada em 22 de abril de 2021 - 23:47

Na praça de Trieste, Lorena cuida da ferida no pé de um imigrante. Foto Janaina Cesar

Na praça de Trieste, Lorena cuida da ferida no pé de um imigrante. Foto Janaina Cesar

Europa patina em sua política de migração, enquanto um mar de seres humanos tenta chegar lá em busca de vida mais digna; numa das portas de entrada, na Itália, assistência é criminalizada

Por Janaína Cesar | 11 • Publicada em 14 de abril de 2021 - 08:46 • Atualizada em 22 de abril de 2021 - 23:47

Compartilhe

Enviada especial a Sarajevo

O Velho Continente não sabe o que fazer com o mar de seres humanos que chega em busca de vida digna. Nos últimos dois anos destinou aos cofres públicos da Bósnia e Herzegovina cerca de 88 milhões de euros para serem investidos nos campos de refugiados. Em janeiro de 2021, após o incêndio que destruiu o campo de Lipa, próximo à fronteira com a Croácia, a soma foi incrementada com outros 3,5 milhões de euros. Diante da tragédia humanitária dos milhares de refugiados sem abrigo, Janez Lenarčič, comissário Europeu para a Gestão de Crises, afirmou que “esta catástrofe poderia ter sido evitada se as autoridades do país tivessem implementando uma gestão adequada da migração, conforme solicitado pela União Europeia há muitos anos”.

Enquanto a UE aponta o dedo às autoridades bósnias, ignora o que acontece dentro da sua casa. Desde 2017, a Croácia recebeu cerca de 108 milhões de euros da Europa para cuidar da vigilância de fronteiras. O verbo cuidar, porém, é distorcido pela polícia daquele país, como testemunhou o afegão Tarik e outras centenas de imigrantes que sentiram em seus corpos o peso dos cassetetes e foram mandados de volta. O direito à proteção humanitária não é, minimamente, levado em consideração.

Mas não é só a Croácia a devolver os refugiados à Bósnia. Segundo reportagem da revista L’Altreconomia, entre janeiro e novembro de 2020, a polícia de fronteira italiana rejeitou o ingresso de 1.240 imigrantes com direito à proteção humanitária. Vários entraram num ciclo de rejeição em cadeia no continente: da Itália foram mandados de volta à Eslovênia, de lá para a Croácia que os enviou à Bósnia. Todavia, a Itália deverá pôr um ponto final nesse esquema sórdido e desumano. Isso porque, em janeiro deste ano, o Tribunal de Roma emitiu sentença condenando o mecanismo consolidado de rejeições em cadeia, “pois viola as regras internacionais, europeias e nacionais que regem o acesso ao procedimento de asilo”.

Paradoxo do continente europeu: ‘crime de solidariedade’

Trieste, além de ser uma cidade italiana na fronteira com a Eslovênia, é a ponta final da rota balcânica. Aqui, na Praça da Liberdade, em frente à estação ferroviária, um casal de aposentados, acompanhado por alguns voluntários, se encontra para curar os pés e as feridas dos imigrantes. Daqueles sujeitos de sorte que conseguem vencer o game.

Todos os dias, após as 18h, Gian Andrea Franchi e sua esposa, Lorena Fornasir, fundadores da associação Linea d’ombra, carregam o carrinho verde cheio de medicamentos até a praça. Daqui, os imigrantes partem para o restante do continente. Agora no período invernal, as curas diminuíram para esperar a neve derreter e permitir a travessia das fronteiras.

Antes do lockdown, o casal esteve 18 vezes na Bósnia. Com as fronteiras fechadas, eles estão somente na praça. “Nosso compromisso é político: nos opomos a fronteiras que se tornaram máquinas de matar”, argumenta Gian Franco, ao #Colabora.

Além dos curativos, os voluntários também distribuem alimentos e roupas. Mas a solidariedade virou crime na Itália. Na manhã de 23 de fevereiro deste ano, o casal acordou com a polícia batendo na porta de casa. Estavam respondendo a um mandado de perquirição e tiveram computador e celulares sequestrados. Gian foi denunciado por favorecimento da imigração clandestina. “Em julho de 2019, hospedei uma família curdo-iraniana que tinha dois filhos e os ajudei a pegar o trem e receber dinheiro de um parente na Alemanha. Essa é uma acusação que me põe junto a uma cadeia de passeurs, pessoas que exploram a imigração para lucrar. É evidente que no plano psicológico me deixa indiferente, é direcionada a criminalizar quem se ocupa ativamente e continuamente dos imigrantes. A mesma coisa aconteceu com a SOS Méditerranée, ONG que salva os imigrantes no mar”, acrescenta ele.

Na tarde em que a reportagem esteve na praça de Trieste, chegaram somente três afegãos. Lorena prontamente cuidou de cada um deles. Estavam machucados, haviam sido espancados pela polícia eslava. Por volta das 19h pegaram o trem para Milão com destino à nova vida.

Janaína Cesar

Formada pela Universidade São Judas Tadeu (SP), trabalha há 17 anos como jornalista e vive há 15 na Itália, onde fez mestrado em imigração, na Universidade de Veneza. Escreve para Estadão, Opera Mundi, IstoÉ e alguns veículos italianos como GQ, Linkiesta e Il Giornale di Vicenza. Foi gerente de projetos da associação Il Quarto Ponte, uma ONG que trabalha com imigração.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *