Fuga do Haiti, acolhida e trabalho aqui

Projeto premiado do Instituto Federal de Santa Catarina promove inclusão social de haitianos

Por Letícia Maria Klein | ODS 10 • Publicada em 20 de julho de 2019 - 14:48 • Atualizada em 20 de julho de 2019 - 15:39

Compartilhe

Coordenadores e alnos do Projeto de Acolhimento e Qualificação Profissional de Imigrantes, do Instituto Federal de Santa Catarina: das 600 pessoas atendidas, 95% vieram do Haiti (Foto: Divulgação/IFCS)

Genevieve Romain, 31 anos, formou-se como enfermeira no Haiti e estava há dois anos sem conseguir emprego. Há sete meses no Brasil, ela já se comunica bem em português, trabalha como camareira em um hotel e começará, no fim do mês, um curso de Análises Clínicas numa instituição de educação profissional em Blumenau. Apaixonada pela área da saúde, o sonho dela é trabalhar em um laboratório. Graças ao Projeto de Acolhimento e Qualificação Profissional de Imigrantes, do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), Genevieve está no caminho para consegui-lo.

Leia mais reportagens da série #100diasdebalbúrdiafederal

O projeto foi idealizado no campus do IFSC em Gaspar em 2014 e desde então já atendeu mais de 600 imigrantes, sendo 95% haitianos. Neste ano, são 270 alunos matriculados, divididos em nove turmas, nas cidades de Blumenau, Gaspar e Pomerode. As inscrições para o curso são lançadas por meio de edital, que é divulgado na comunidade. Quando há mais inscritos do que a quantidade de vagas, é feito um sorteio. Quando há vagas remanescentes, elas vão sendo preenchidas por ordem de chegada. Em dois anos de curso, os participantes aprendem o português, conhecem um pouco da cultura brasileira e recebem qualificação profissional, com orientações sobre legislação trabalhista e o sistema público de saúde. O projeto ganhou o Prêmio ODS SC 2019 na categoria instituição de ensino. A entrega da premiação ocorreu durante o Fórum Brasil ODS, no fim de junho, em Florianópolis.

LEIA MAIS: Brasil rompe com sua tradição de acolhimento humanitário

LEIA MAIS: Venezuelanos migram para o Brasil para fugir da fome

Além das aulas para imigrantes, o projeto também tem uma frente de trabalho junto às redes assistenciais e escolas dos municípios para capacitação de servidores públicos, com o objetivo de qualificar o atendimento e acolhimento. “A inclusão social dos imigrantes, que já constituem 1500 núcleos familiares nas três cidades onde o projeto atua, é necessária para combater o aumento da desigualdade social na região, que é muito atrativa para estrangeiros. Com o curso, a condição de empregabilidade para eles aumenta”, afirma Ana Paula Kuczmynda da Silveira, diretora geral do IFSC – campus Gaspar. “A inserção social é perceptível. A maioria deles está empregada, com filhos, com a vida resolvida”, complementa Rita de Cássia da Silveira Cordeiro, professora do curso desde o início do projeto.

A vinda de haitianos para o Brasil aumentou significativamente a partir do terremoto no Haiti em 2010, ao qual se seguiu uma epidemia de cólera e uma guerra civil. Ana Paula credita a preferência pelo Brasil, dentre outros países latino-americanos, devido à missão diplomática que foi realizada no Haiti e à condição de país emergente. Genevieve conta que escolheu o Brasil por ser um país receptivo e que Blumenau, onde mora e trabalha atualmente, é parecida com a cidade haitiana onde vivia, “tranquila e com pessoas gentis”. A enfermeira veio para cá depois de ficar um mês em São Paulo sem conseguir emprego. Procurando informações na internet, Genevieve descobriu a Associação Brahaitianos Unidos (ABHU), fundada em Blumenau em junho de 2015 por dois haitianos, que hoje são professores do curso.

Sala de aula do projeto do IFSC: cerca de 70% dos alunos do curso conseguem emprego e tem a possibilidade de continuar a estudar (Foto: Divulgação/IFSC)

Webster Fievre, 29 anos, e Adelson Augustim, 32, respectivamente presidente e vice-presidente da associação, estão no Brasil há quase seis anos. Adelson veio ao Brasil por curiosidade. Tinha amigos aqui, gostou, ficou. Já trabalhava como professor de idiomas no Haiti, onde tinha uma vida equilibrada, então continuou sua profissão aqui. Além de francês e crioulo, que são as línguas oficiais do país caribenho, ele fala inglês e português. Webster morava e estudava na República Dominicana e passou por alguns países antes de chegar ao Brasil. Falar espanhol facilitou a adaptação. Além desse e das línguas nativas, fala inglês, português, italiano e alemão, o que lhe proporcionou trabalhar como professor em escolas de idiomas de Blumenau. Hoje, atua como professor no curso do IFSC e também como programador.

Por serem haitianos, os dois entendem a importância de aprender o idioma quando o imigrante chega ao país. “Sem falar português, a pessoa não consegue fazer nada, pois não se comunica”, comenta Webster. Adelson afirma que cerca de 70% dos alunos do curso conseguem emprego e tem a possibilidade de continuar a estudar, como é o caso de Genevieve e de mais alunos que estão matriculados em cursos de nível técnico ou superior no IFSC ou em outras instituições de ensino.

O projeto surgiu a partir da demanda de uma grande empresa em Blumenau que recebia muitos haitianos para trabalhar, mas a comunicação era inviável. Ana Paula conta que, a partir de então, outras empresas começaram a entrar em contato e surgiram demandas tanto dos haitianos quanto das redes assistenciais públicas. O projeto possui parcerias com prefeituras e entidades como Cáritas Diocesana de Blumenau, Fundação Pró-família e a ABHU. Dos professores, alguns são do quadro do IFSC, alguns são pagos pela Cáritas e outros são voluntários (caso dos três citados nesta reportagem).

Nenhuma empresa patrocina o projeto, que recebe somente a bolsa de auxílio compulsório paga pelo governo federal para quem entra no país por refúgio ou imigração humanitária. Cada matriculado recebe uma bolsa de R$ 120,00 por módulo de curso (são quatro ao total) para pagar o transporte até o local das aulas. Felizmente, como diz Rita de Cássia, essa bolsa não é afetada pelos cortes de verbas para instituições de ensino superior federais.

A perspectiva é continuar o projeto até que todos os haitianos e migrantes de outros países estejam adaptados e inseridos na sociedade, afirma Webster. O Instituto Federal Catarinense (IFC) também tem um projeto de extensão com o mesmo foco, denominado “Português como língua de acolhimento para imigrantes haitianos”. Rita de Cássia, que é professora concursada no IFC, diz que a intenção para 2020 é fazer um convênio entre as duas instituições para ampliar o alcance dos cursos.

Desde o início, o Projeto de Acolhimento e Qualificação Profissional de Imigrantes já gerou cinco projetos de pesquisa, envolveu 12 bolsistas e oito alunos pesquisadores e motivou o desenvolvimento de um aplicativo para auxiliar os imigrantes recém-chegados a encontrar serviços das redes assistenciais e a se ambientar na cidade. Com projetos de responsabilidade social como esse, as condições e estruturas para receber imigrantes, entre eles a mãe de Genevieve, que planeja vir para cá no futuro, tendem a melhorar e aumentar a qualidade de vida deles no Brasil.

64/100 A série #100diasdebalbúrdiafederal pretende mostrar, durante esse período, a importância das instituições federais e de sua produção acadêmica para o desenvolvimento do Brasil

Letícia Maria Klein

Jornalista formada, mora em Blumenau, Santa Catarina. É colaboradora do Um Só Planeta.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile