Sem escola, sem recreio, sem futuro

Criança mostra trocados ganho com trabalho na… : falta de acesso ao ensino remoto empurra crianças e adolescentes para o trabalho (Foto: Victoria Álvares)

Excluídos do ensino remoto, crianças e adolescentes de todas as regiões foram empurrados ao trabalho ou aumentaram a carga de serviço na pandemia

Por Lição de Casa | ODS 3ODS 4 • Publicada em 22 de março de 2021 - 14:08 • Atualizada em 23 de março de 2021 - 09:42

Compartilhe

Criança mostra trocados ganho com trabalho na… : falta de acesso ao ensino remoto empurra crianças e adolescentes para o trabalho (Foto: Victoria Álvares)

Joana Suarez e equipe Lição de Casa

O ano é 2020: três irmãos de 12, 13 e 14 anos pediam dinheiro nos arredores de um shopping em São Luís, no Maranhão. No Sul do Brasil, em Barra do Ribeiro, um menino de 14 anos aumentou a jornada na roça do pai e dos vizinhos. Em um engenho de cana no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, um garoto de 13 anos teve a mão amputada ao sofrer um acidente operando máquina. Também na zona rural, agora do Centro-Oeste, 14 adolescentes estavam sendo escravizados no campo. Na outra ponta, ao Norte, uma criança de 10 anos limpava a casa dos patrões da mãe, faxineira no Amapá.

Em todas as regiões brasileiras, a equipe do projeto jornalístico Lição de Casa identificou pelo menos 70 meninos e meninas de 10 estados e do Distrito Federal que foram vítimas de exploração do trabalho infantil no primeiro ano da pandemia do coronavírus.

A reportagem especial Sem Recreio – que será publicada também no #Colabora a partir de hoje – traz relatos de pequenos cidadãos que deixaram o estudo e a infância de lado para exercer as mais diversas funções laborais, em busca de sobrevivência, complemento da renda familiar ou mesmo ocupação do tempo em que estariam aprendendo nas escolas que foram fechadas.

Não há previsão de que a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad Contínua) de 2020 traga informações sobre o trabalho infantil envolvendo menores de 14 anos, devido às reduções no orçamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). E esse é um dos levantamentos mais importantes para entender o cenário. Os dados de 2019 revelavam 1,8 milhão de pessoas de 5 a 17 anos em situação de trabalho precoce.

Os números relativos ao ano passado (a serem divulgados) não devem refletir a realidade vivida por crianças e adolescentes em todo o Brasil durante a crise da covid-19, considerando que ainda há subnotificação. Mas as histórias estarão aqui. Ao menos parte delas será visibilizada, reunidas neste material feito a muitas mãos – uma investigação nacional sobre essa violação na pandemia, a partir da evasão escolar.

Estima-se que mais de 5,5 milhões de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos tiveram seu direito à educação negado com a pandemia da covid-19, que impôs a realização de atividades remotas para as escolas em todo o país

Relatório do Unicef : Enfrentamento da cultura do fracasso escolar

O termo adequado seria ‘exclusão escolar’, já que “é responsabilidade do Estado brasileiro garantir uma educação pública laica, de qualidade e inclusiva”, defende Tânia Dornellas, assessora do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI). Para ela, quando os governantes tiram a pauta da agenda política, é praticamente uma expulsão de milhares de alunos, que perdem o vínculo com o ensino por várias dimensões sociais.

A porta da rua

Não foram só os portões das escolas que se fecharam para proteger a população do coronavírus, mas também janelas de aprendizado, de proteção, de denúncia e de alimento.

No primeiro semestre de 2020, o Disque 100 (Direitos Humanos) recebeu, em média, 10 denúncias por dia referentes à exploração da mão de obra infantil. O dado inédito, obtido pela reportagem via Lei de Acesso à Informação, aponta que em todo o país foram 1.859 registros em seis meses. No ano de 2019, eram cerca de 11 denúncias diárias (um total de 4.246 em 12 meses). Apesar de aparentar uma ligeira queda, no ano passado o número pode ser lido como alto, de acordo com especialistas, justamente por vir subnotificado em um período atípico de isolamento social.

Doze jornalistas espalhados pelo país foram às ruas e fizeram escuta de pessoas que estão na ponta, diante de famílias vulneráveis, e percebem a intensificação do problema. As situações que abriram essa matéria foram vistas e narradas por um professor, um conselheiro tutelar, um auditor fiscal, um procurador do trabalho e um dos repórteres. Entrevistamos mais de 20 fontes, incluindo pesquisadores, especialistas e representantes de entidades ligadas à temática.

A sociedade brasileira é muito conivente com o trabalho infantil. De todas as violações de direitos, essa é a mais aceita Tânia Dornellas, cientista política e assessora do FNPETI

Tânia Dornellas
Cientista política e assessora do FNPETI

Os relatos contemplam as piores formas de trabalho precoce: trabalho doméstico, análogo à escravidão, tráfico de drogas, lavouras, garimpo, catação, mendicância, aplicativos de entrega. Mas também há casos que costumam ser romantizados ou relativizados, como filhos “ajudando” na lanchonete dos pais ou fazendo doces para vender no bairro, contribuir em casa, comprar um presente para a mãe.

Qualquer trabalho, exceto na condição de menor aprendiz, limita o acesso às condições adequadas de ensino e desenvolvimento, explica Ana Carolina Fonseca, oficial de programas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil. “Eles são privados de brincar, de estar com seus pares e de vivenciarem a infância e a adolescência”.

Menino em lixão próximo ao Distrito Federal: trabalho infantil aumentou com a pandemia e o fechamento das escolas (Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil)

Em busca de alimento

A alimentação, ou a falta dela, conecta crianças de diferentes regiões descobertas pela equipe do Lição de Casa. Nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, elas estavam fazendo, vendendo ou carregando comida porque a realidade financeira em casa havia piorado durante a pandemia.

Maia*, de 13 anos, passou por cima do sofrimento com a morte da avó, que pegou covid, em meio aos sanduíches que fazia e entregava pelo seu bairro em Recife. A renda da casa caiu muito após o desemprego da mãe diarista e sem a aposentadoria da avó. A menina praticamente trocava a noite pelo dia, e os estudos, a essa altura, se reduziram a ajudas virtuais de colegas para que ela passasse de ano.

Sem a escola, sobrou para Vinícius* e Ricardo*, irmãos de 10 anos, vender os salgados, feitos pela mãe, na praça central da cidade de São Borja. A família de oito filhos vive em um assentamento no Rio Grande do Sul.

A calçada de um supermercado em Belo Horizonte substituiu a sala de aula nas manhãs e tardes de Kevin*, de 7 anos. Lá, ele recebia uns trocados carregando sacolas com as compras e comidas dos clientes.

*Os nomes das crianças e adolescentes são fictícios para proteger a identidade deles, mas as narrativas são reais, flagradas no ano passado, após a instalação de uma crise sanitária com consequências por ora incalculáveis.

**Esta série de reportagens foi financiada pelo Edital de Jornalismo de Educação, uma iniciativa da Jeduca e do Itaú Social.  

Lição de Casa

Lição de Casa é um projeto de investigação jornalística [colaborativo e nacional] para acompanhar os impactos da pandemia do Coronavírus na educação brasileira. São 15 jornalistas em 10 Estados brasileiros. O site http://licaodecasa.org/ foi lançado dia 15 de setembro, após seis meses de isolamento social.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile