Água demais, água de menos, água suja: dramas de metade da população mundial

Moradores de Serang, na Indonésia, deixam casas inundadas pela enchente: crises relativas à agua atingem mais da metade da população mundial (Foto: Dziki Oktomauliyadi / AFP – 01/03/2022)

Para cientista integrante do IPCC, insegurança hídrica no mundo inteiro está se agravando com a crise climática e, se nada for feito, atingirá 10 bilhões de pessoas

Por The Conversation | ODS 6 • Publicada em 22 de março de 2022 - 09:46 • Atualizada em 25 de março de 2022 - 19:46

Compartilhe

Moradores de Serang, na Indonésia, deixam casas inundadas pela enchente: crises relativas à agua atingem mais da metade da população mundial (Foto: Dziki Oktomauliyadi / AFP – 01/03/2022)

(Balsher Singh Sidhu*) – Mais da metade da população mundial enfrenta escassez de água por, pelo menos, um mês a cada ano. Enquanto isso, muitas pessoas têm que lidar com muita água, enquanto outras têm acesso apenas a água de má qualidade. São bilhões de pessoas convivendo com seca extrema na África e na Índia, enfrentando riscos de inundação em Bangladesh ou sem água potável devido ao uso excessivo de fertilizantes nos Estados Unidos, Brasil, China e Índia.

Leu essa? Demanda por água no Brasil pode crescer 70% até 2040

A mudança climática agrava a insegurança hídrica global porque contribui para secas mais frequentes e severas, inundações e chuvas extremas, derretimento acelerado de geleiras, declínios rápidos nas águas subterrâneas e deterioração da qualidade da água. Esses riscos das mudanças climáticas relacionados à água têm repercussões negativas para a agricultura, a produção de energia, a infraestrutura hídrica e a produtividade econômica, bem como para a saúde humana, o desenvolvimento e o bem-estar em todo o mundo.

A água é central nas discussões sobre como as sociedades, economias e governos se adaptam às mudanças climáticas, e a grande maioria das estratégias de adaptação já implementadas estão relacionadas à água. No entanto, os pesquisadores sabem pouco sobre o quão eficazes essas estratégias são.

Como pesquisador na área de mudanças climáticas e sistemas alimentares sustentáveis, fiz parte de uma equipe que revisou mais de 1.800 estudos de caso para o capítulo “Água” do relatório Mudanças Climáticas 2022: Impactos, Adaptação e Vulnerabilidade, a segunda parte do Sexto Relatório de Avaliação (AR6) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Este relatório recém-lançado é a revisão mais abrangente dos impactos climáticos e o quanto podemos nos adaptar a eles desde 2014.

A água no centro das estratégias

As Nações Unidas definem a segurança hídrica como ter acesso sustentável a água suficiente e de qualidade adequada para apoiar o bem-estar, os meios de subsistência e a saúde das pessoas, sem comprometer os ecossistemas. A insegurança hídrica cobre um espectro de questões – água demais, muito pouca água, água muito suja.

Sem surpresa, a grande maioria dos países listou a água como prioridade para a adaptação em seus planos de mudança climática. Em nossa análise de mais de 1.800 estratégias de adaptação às mudanças climáticas, descobrimos que mais de 80% estavam relacionadas à água. Alguns foram em resposta aos perigos da água (secas, inundações, esgotamento das águas subterrâneas, esgotamento das geleiras). Em outros, a resposta em si foi relacionada à água (irrigação, captação de água da chuva e conservação de áreas úmidas).

No entanto, quando analisamos os resultados dessas estratégias de adaptação baseadas na água, descobrimos que apenas 359 foram analisadas quanto à eficácia, o que significa que não sabemos se a maioria dessas estratégias realmente reduz os impactos das mudanças climáticas e melhora a saúde, bem-estar. ser e viver.

Estratégias de adaptação que são implementadas sem investigação adequada de sua eficácia não apenas desperdiçam recursos escassos, mas também podem nos distrair de tomar ações mais relevantes que tragam maiores benefícios para a população afetada.

Agrotóxico é borrifado em plantação de soja em Goiás: uso de defensivos e fertilizantes comprometem água potável ameaçam populações no Brasil, EUA, China e Índia, aponta pesquisador do IPCC (Foto: Mateus Bonomi / Anadolu Agency / AFP – 12/02/2022)

As estratégias estão funcionando?

Dessas 359 estratégias, a maioria visava o setor agrícola. A agricultura responde por 80 a 90 por cento do total de água consumida globalmente e fornece água para 70 por cento das pessoas nos países em desenvolvimento com seus meios de subsistência.

Muitas dessas abordagens focadas na água incluíram a mudança de época e arranjo das culturas, escolha de melhores variedades de culturas e técnicas agrícolas, expansão do acesso à irrigação e adoção de práticas de conservação da água.

Adaptações de água não agrícolas às mudanças climáticas incluíram a adoção de melhores técnicas de pesca em Gana, plantio de árvores resistentes ao sal em Bangladesh, instalação de usinas de dessalinização para uso urbano de água na Espanha, construção de moradias resistentes a inundações na Guiana, entre outras.

Também descobrimos que o conhecimento local, tradicional e indígena desempenha um papel importante na formação de muitas respostas de adaptação. Por exemplo, alguns agricultores no Sri Lanka se adaptaram com sucesso à seca de 2014 praticando bethma, uma técnica tradicional em que a comunidade realocou temporariamente terras agrícolas entre os agricultores para que cada um tivesse acesso semelhante ao limitado abastecimento de água.

A combinação de conhecimento local, tradicional e indígena com uma compreensão técnica das mudanças climáticas pode levar ao desenvolvimento e implementação de estratégias de adaptação às mudanças climáticas mais aceitáveis e bem-sucedidas. Isso não apenas garante ações de adaptação equitativas e inclusivas, mas também aumenta a eficácia das soluções propostas para minimizar os impactos das mudanças climáticas.

O maior número de respostas de adaptação, especialmente aquelas no setor agrícola, foram implementadas e lideradas por famílias individuais e órgãos da sociedade civil. Esquemas de governos em vários níveis de administração – de local a multinacional – compuseram a segunda maior fatia das estratégias de adaptação.
.
Até agora, o papel do setor privado tem sido insignificante. O financiamento privado é uma fonte menor de financiamento de adaptação que se concentrou principalmente em economias desenvolvidas e emergentes. As necessidades locais, especialmente as das comunidades economicamente desfavorecidas, não foram adequadamente atendidas pelo financiamento privado até agora.

Na recente conferência sobre mudanças climáticas em Glasgow, Escócia, empresas financeiras globais concordaram em financiar projetos que abordam a mitigação das mudanças climáticas. A tradução dessas promessas em ação ainda está por ser vista, mas projetos de adaptação em países de baixa e média renda podem se beneficiar muito com isso.

Refugiados da seca esperam por água na Somália: estiagem extrema cresce com crise climática (Foto: Yasuyoshi Chiba / AFP – 13/02/2022)

Benefícios e impactos negativos

Mas também descobrimos que as estratégias que funcionam agora podem não funcionar no futuro. O sucesso da irrigação, conservação do solo e da água ou outras adaptações agrícolas depende de quanto aquecimento ocorre.

Os benefícios dessas práticas são em sua maioria incrementais – têm recompensas de curto prazo – e nem sempre podem levar a resultados transformadores, como permitir que uma comunidade mude seu sustento para um com exposição reduzida aos riscos climáticos.

Descobrimos que algumas respostas têm co-benefícios: elas não apenas ajudam a se adaptar às mudanças climáticas em andamento, mas também ajudam a mitigar (ou reduzir) as mudanças climáticas futuras. Por exemplo, a reutilização de águas residuais para irrigação pode ter co-benefícios adaptativos e mitigadores. Se implementados adequadamente, esses projetos podem não apenas fornecer uma fonte de água confiável ao longo do ano, mas também reduzir a pressão sobre a infraestrutura de tratamento de água.

Algumas estratégias de adaptação, no entanto, podem ter impactos negativos de longo prazo, chamados de mal-adaptações. Um exemplo frequentemente citado é o uso excessivo de água subterrânea para irrigação na Índia, que atualmente apoia a agricultura intensiva, mas está esgotando as reservas limitadas de água subterrânea em ritmo acelerado.

As estratégias de adaptação podem funcionar, mas precisamos ter uma melhor compreensão de seus custos e benefícios. Se o mundo continuar em um caminho de altas emissões, essas estratégias de adaptação começarão a se tornar menos eficazes em resposta a questões de segurança hídrica cada vez mais complexas e graves.

A água é fundamental para a saúde, o bem-estar e a subsistência de todos. Devemos nos concentrar na adaptação às mudanças climáticas e mitigar seus efeitos imediata e simultaneamente se quisermos diminuir as dificuldades dos 10 bilhões de pessoas do mundo até 2050. Quanto mais adiarmos as ações agressivas, maiores serão os custos de adaptação e menor será a janela de oportunidade para desfazer ações passadas.

*Balsher Singh Sidhu é engenheiro civil, com mestrado em tecnologias para o tratamento de água, e Ph.D. no instituto de Recursos Naturais, Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de British Columbia, em Vancouver, Canadá.

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile