2020: o pior ano na história do turismo mundial

Aerorporto de Dubai vazio durante a pandemia: turismo mundial teve queda de 74% nas chegadas internacionais em 2020 | Foto Pixabay

Somente o avanço da vacinação pode restaurar a confiança no setor que passa por crise profunda, com perda de mais 100 milhões de empregos

Por Carla Lencastre | ODS 8 • Publicada em 3 de fevereiro de 2021 - 09:28 • Atualizada em 5 de março de 2021 - 12:34

Compartilhe

Aerorporto de Dubai vazio durante a pandemia: turismo mundial teve queda de 74% nas chegadas internacionais em 2020 | Foto Pixabay

Restrições de viagem em todo o mundo e queda sem precedentes na demanda fizeram com que 2020 fosse o pior ano na história do turismo mundial. Entre 100 e 120 milhões de empregos diretos correm risco, a maioria em pequenas e médias empresas. Viajantes que não fizeram viagens ao exterior deixaram de contribuir com aproximadamente US$ 1,3 trilhão para a economia mundial. Com um bilhão de chegadas internacionais a menos, o tombo foi de 74% em relação a 2019. Como comparação, em 2009, ano de crise econômica mundial, o número de desembarques teve uma queda de 4% em relação ao ano interior. Os dados do colapso do turismo internacional estão na primeira edição de 2021 do Barômetro Mundial do Turismo, boletim trimestral da Organização Mundial do Turismo (UNWTO, na sigla em inglês), agência especializada das Nações Unidas. Os números confirmam as previsões mais pessimistas feitas em abril do ano passado, no início da pandemia.

O mesmo documento, divulgado no final de janeiro, trata também de perspectivas para o turismo mundial neste ano e nos próximos. Nada animadoras, como era de se esperar com a pandemia ainda fora de controle. A estimativa atual da UNWTO é que leve de dois anos e meio a quatro anos para o turismo internacional retornar ao patamar de 2019. Com uma segunda onda de covid-19 e novas variantes do coronavírus, diversos países fecharam as fronteiras mais uma vez. Foram tomadas medidas restritivas para viagens domésticas e ampliadas as exigências de exames e quarentena para visitantes. Enquanto não houver vacina para a maior parte da população mundial, a retomada do setor de viagens e turismo seguirá lentamente e exigindo principalmente máscara e distanciamento social para um mínimo de segurança.

“A coordenação das medidas de redução de risco, como exames, rastreamento e vacinação, são fundamentais para viagens seguras. E, também, para que os países preparem a recuperação do turismo quando as condições permitirem”, destaca Zurab Pololikashvili, secretário-geral da UNWTO.

Especialistas em turismo nas Américas estão mais pessimistas que a média global

Para 2021 e além, a UNWTO diz que seu painel de especialistas está “cauteloso”. Metade acredita que será possível ver sinais mais fortes de recuperação do turismo mundial ainda no segundo semestre deste ano. A outra metade não acredita em retomada antes de 2022. Os especialistas das Américas estão mais desanimados que a média global: 58% apostam que o turismo internacional em seus respectivos países só começará a se recuperar em 2022. Os asiáticos são pessimistas: 68% não veem retomada no continente antes de 2022.

Quando o turismo internacional retornará ao patamar de 2019? No painel da UNTWO, 43% apostam em 2023, e 41%, em 2024. Os especialistas das Américas continuam cautelosos: 49% acreditam que somente em 2024 o turismo internacional em seus países voltará ao patamar de 2019; 33% arriscam 2023. Nas Américas estamos menos confiantes, mas, comparativamente, o continente teve o menor declínio de chegadas internacionais em 2020: 69%, enquanto a média global foi de 74% (número puxado pelos 84% da região Ásia e Pacífico, ainda com muitas restrições a viagens). Em números absolutos, a maior perda foi na Europa: 500 milhões a menos de desembarques internacionais em comparação com 2019.

Aeroporto de Hong Kong vazio durante a pandemia: asiáticos são os mais pessimistas em relação à retomada do turismo mundial | Foto Wil Nemao/Pixabay

Reino Unido, Portugal, França, Alemanha… Vários países europeus estão ampliando suas restrições a viagens. Mas não apenas na Europa. A Austrália, por exemplo, está fechada desde o início da pandemia, e não há nenhuma perspectiva de que a situação mude ao longo deste ano. O Canadá, onde empregos diretos no setor de viagens e turismo respondem por 8,8% do total no país, ou 1,67 milhão de vagas, segundo o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês), suspendeu até 30 de abril os voos de e para o México e países do Caribe. Segundo dados recentes do mesmo WTTC, somente na América do Norte a perda de empregos no setor de turismo com a pandemia pode ficar entre 10,8 e 13,8 milhões de vagas.

No Brasil, mais de 100 mil empregos formais ligados ao turismo foram perdidos em 2020

Não há dados específicos sobre o Brasil na parcela do Barômetro do Turismo Mundial aberta para consulta pelo público em geral. Mas o estudo Monitora Turismo, apresentado no início de fevereiro pela pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Mariana Aldrigui, mostra que praticamente todos os segmentos do setor de viagens e turismo brasileiro tiveram perdas significativas em 2020. No total, 110.833 vagas formais foram eliminadas ao longo do ano.

Especializada em turismo, Mariana Aldrigui consolidou dados que mostram que as cidades mais atingidas foram São Paulo (menos 18.649 vagas) e Rio de Janeiro (17.184). SP e RJ também foram os estados que mais perderam empregos formais no setor de viagens: 36.678 e 22.520, respectivamente.

“O ano de 2020 foi trágico para o turismo brasileiro e não há sinais de melhora para 2021, pois o setor depende da ampla vacinação para uma retomada efetiva. Gestores públicos em todas as esferas precisam criar alternativas para as empresas e os trabalhadores”, diz a pesquisadora da USP e presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP.

O número de chegadas internacionais no país, que nunca foi bom, já tinha piorado em 2019. Foram 6,3 milhões de visitantes internacionais, 4,1% menos do que em 2018, enquanto a média global teve um crescimento de 3,6%. O mercado doméstico brasileiro, um dos maiores do mundo, é o que salva parte do setor. Neste início de 2021, países tão diferentes quanto Colômbia, Portugal e Emirados Árabes Unidos suspenderam os voos de e para o Brasil. O país, por conta da nova variante do coronavírus descoberta em Manaus e da má gestão da pandemia, está ainda mais isolado.

O turismo internacional no Brasil pode ter regredido 26 anos”, escreveu em janeiro Jeanine Pires em sua coluna no portal Panrotas, empresa de mídia brasileira especializada no setor de viagens e turismo. “Quando falamos de receitas do turismo, tão importantes quanto o volume de visitantes, as projeções indicam que podemos voltar ao patamar do ano 2000”, continua Jeanine, especialista em marketing turístico e presidente da Embratur entre 2006 e 2010,

A lenta recuperação da aviação internacional somada à péssima gestão da pandemia no Brasil, à vacinação incipiente e à negligência em relação ao meio ambiente, entre outros fatores, não contribuem com expectativas otimistas de recuperação a médio prazo do turismo internacional por aqui. Com a vacinação aumentando gradualmente, a confiança voltando e as restrições aos deslocamentos sendo afrouxadas, podemos esperar que as viagens comecem a retornar ao padrão pré-covid-19 a longo prazo, assim como os empregos. Para isso, um esforço global coordenado será fundamental.

 

Carla Lencastre

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou por mais de 25 anos na redação do jornal O Globo nas áreas de Comportamento, Cultura, Educação e Turismo. Editou a revista e o site Boa Viagem O Globo por mais de uma década. Anda pelo Brasil e pelo mundo em busca de boas histórias desde sempre. Especializada em Turismo, tem vários prêmios no setor e é colunista do portal Panrotas. Desde 2015 escreve como freelance para diversas publicações, entre elas o #Colabora e O Globo. É carioca de mar e bar. Gosta de dias nublados. Ama viajar. Está no Instagram e no Twitter em @CarlaLencastre 

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile